sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Only a matter of time ...

Realisticamente, não espero que isso seja aprovado por aqui nos próximos 10 anos -- ainda que há outros 10 anos se fumasse dentro de aviões.

Também não acho que, se aprovado, isso seja respeitado por aqui nem nos próximos 50 anos -- ainda não conseguimos banir nem se jogar lixo no chão!

Mas, parafraseando o Fórum Social Mundial: pelo menos eu sei que "um outro mundo é possível".

(Um no qual eu não seja obrigado a fumar também quando meu vizinho toma essa decisão para si... Por que diabos ele não usa o Nicosphere 3000?!)

* * *

http://graphics8.nytimes.com/images/misc/nytlogo153x23.gif

January 27, 2009 | Belmont Journal

Smoking Ban Hits Home. Truly.

BELMONT, Calif. — During her 50 years of smoking, Edith Frederickson says, she has lit up in restaurants and bars, airplanes and trains, and indoors and out, all as part of a two-pack-a-day habit that she regrets not a bit. But as of two weeks ago, Ms. Frederickson can no longer smoke in the one place she loves the most: her home.

Ms. Frederickson lives in an apartment in Belmont, Calif., a quiet Silicon Valley city that is now home to perhaps the nation's strictest antismoking law, effectively outlawing lighting up in all apartment buildings.

"I'm absolutely outraged," said Ms. Frederickson, 72, pulling on a Winston as she sat on a concrete slab outside her single-room apartment. "They're telling you how to live and what to do, and they're doing it right here in America."

And that the ban should have originated in her very building — a sleepy government-subsidized retirement complex called Bonnie Brae Terrace — is even more galling. Indeed, according to city officials, a driving force behind the passage of the law was a group of retirees from the complex who lobbied the city to stop secondhand smoke from drifting into their apartments from the neighbors' places.

"They took it upon themselves to do something about it," said Valerie Harnish, the city's information services manager. "And they did."

Public health advocates are closely watching to see what happens with Belmont, seeing it as a new front in their national battle against tobacco, one that seeks to place limits on smoking in buildings where tenants share walls, ceilings and — by their logic — air. Not surprisingly, habitually health-conscious California has been ahead of the curve on the issue, with several other cities passing bans on smoking in most units in privately owned apartment buildings, but none has gone as far as Belmont, which prohibits smoking in any apartment that shares a floor or ceiling with another, including condominiums.

"I think Belmont broke through this invisible barrier in the sense that it addressed drifting smoke in housing as a public health issue," said Serena Chen, the regional director of policy and tobacco programs for the American Lung Association of California. "They simply said that secondhand smoke is no less dangerous when it's in your bedroom than in your workplace."

At a local level, the debate over the law has divided the residents of the Bonnie Brae into two camps, with the likes of Ms. Frederickson, a hardy German émigré, on one side, and Ray Goodrich, a slim 84-year-old with a pulmonary disease and a lifelong allergy problem, on the other.

And, as with all combatants, there is a mix of respect and animosity.

"She is one tough old woman," Mr. Goodrich said.

Ms. Frederickson is less loving.

"I would not acknowledge that man for anything in the world," she said. "He started this as a vendetta against other residents."

A soft-spoken North Carolinian who grew up playing in tobacco warehouses as a child, Mr. Goodrich hardly seems the vendetta type, but he did say he noticed smoke drifting in from neighbors' rooms soon after he moved into Bonnie Brae in 1998.

"It gave me an instant headache, kind of like an iron band around the head," Mr. Goodrich said. "I could be sitting and have the air filters going, which eliminated the visible smoke, but the smoke was still there."

He finally decided he had had enough after a fire broke out in a smoker's room in the complex in 2003, a blaze that was fed by the tenant's oxygen tank.

"I came around the corner, and there was just a giant puff of black smoke, and I knew I wasn't going to last five seconds in that," Mr. Goodrich said. "It was like Dante's inferno up there."

Determined to root out smokers, Mr. Goodrich began a letter-writing campaign, petitioning everyone from local officials to the federal Department of Housing and Urban Development, which helps finance the privately managed Bonnie Brae, which serves low- and middle-income seniors.

"We need your help," read one of Mr. Goodrich's letters in July 2006. "A barking dog disturbs our sleep but will not kill us. Secondhand smoke is killing us."

That letter caught the attention of several members of the Belmont City Council, including Dave Warden, a Belmont native and software consultant who served on the council until 2007. Mr. Warden said council members were particularly moved when Mr. Goodrich followed up with repeated visits to council meetings, often joined by other Bonnie Brae tenants — using walkers, wheelchairs and oxygen tanks — and telling harrowing tales of life surrounded by secondhand smoke.

"I think that they didn't have a grand strategy, I think they just wanted some change, and they didn't know how to get it," he said. "And once it got discussed seriously, they got very encouraged."

But as word spread, council members also started to receive complaints — including threatening e-mail messages — implying that Belmont, about 20 miles south of the liberal climes of San Francisco, had become a "nanny state." Mr. Goodrich was also feeling the hate, he said, getting "cold stares and dead silence" from smokers at the complex.

"The worst place you can be is between an addict and their fix," he said. It did not help, he said, that most of the smokers were younger — "they don't live as long," he said — and more vocal.

But finally, after more than a year of deliberation, the Council passed the law in October 2007, barring smoking anywhere in the city of about 25,000 except in detached homes and yards, streets and some sidewalks, and designated smoking areas outside.

The law took effect on Jan. 9, after a 14-month grace period that allowed apartment buildings time to comply with the new rules — like rewriting lease agreements to ban smoking — and tenants who objected to the changes to move. The law brings with it the threat of $100 fines, though city officials say no penalties have been levied yet.

Mr. Goodrich says his days in politics are over.

"I'm working on my second retirement," he said. "The smoking stuff was my last hurrah."

He says he suspects that some residents still smoke secretly late at night, while others crowd the small outdoor areas where smoking is still allowed.

Ms. Frederickson is one of those, at least for the time being; after all, she says, she is looking to move out of Belmont if she can find something cheap enough.

Until then, however, she seems defiant, despite feeling like a criminal in Belmont.

"And I'm going to keep being a criminal, let me tell you that," she said.

URL: http://www.nytimes.com/2009/01/27/us/27belmont.html?partner=permalink&exprod=permalink

Precordial Catch Syndrome

Do you ever get a piercing pain in your chest, usually on your left side under your rib, which almost feels like a bubble ready to burst?

That's Precordial Catch Syndrome (PCS).

While doctors aren't sure of the actual causes, they are sure that it poses no danger. They believe it to be a completely benign condition and is most certainly not cause for alarm.

I've had it (many times)! Now I know it's not a heart problem! Beers and cigarettes to everyone!

That Sharp Pain in your Chest
http://www.failedsuccess.com/index.php?/weblog/comments/precordial_catch_syndrome_chest_pain/

Infração do dia

Veículo:    moto, placa DZR-0725
Infração:   trafegou na contramão, e cruzou farol vermelho
Pontos CNH: nenhum
Multa (R$): nenhuma

Essa e mais outras centenas de motos trafegando entre as faixas de rolamento da 23 de maio, todos os dias...

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Feromônio ibérico

Edward Osborne Wilson é um importante entomologista, vencedor de alguns prêmios Pulitzer e de outras honrarias científicas e não-científicas.

Há quase 50 anos, ele descobriu a importância dos feromônios na comunicação entre formigas. Aliás, pesquisas posteriores mostraram que os feromônios são usados por muitos outros animais para se comunicar com membros da mesma espécie.

Uma história engraçada, contada por ele num episódio do ótimo podcast Radiolab (que busca popularizar a produção e o conhecimento científicos nos mais variados temas, de biologia à física à antropologia), fala sobre o momento em que Wilson havia descoberto vários sinais químicos diferentes emitidos pelas formigas por meio dos feromônios.

Um desses sinais é enviado pela formiga quando ela morre, e trata de avisar as outras formigas sobre seu óbito. Elas então recolhem o corpo do defunto, arrastando e arremessando-o numa espécie de "vala comum". Wilson realizou experimentos para confirmar a descoberta, incluindo "pincelar" este feromônio numa formiga viva e saudável. Não deu outra: por mais que a coitada se esperneasse, como que gritando "estou viva!", as outras formigas seguiam em seu ritual fúnebre, e a formiga morta-viva era por fim arremessada junto com as definitivamente mortas.

O ser humano também é capaz de se comunicar por meio dos feromônios, mas a linguagem e outros elementos culturalmente construídos por nós tomaram seu espaço. Na cultura ibérica, por exemplo, os documentos ganham uma importância "vital".

Apesar de gostarmos muito de papear, e termos as línguas mais gostosas para a prosa (tanto espanhol quanto o português), nossa tradição é muito mais escrita, documental, que oral. Criamos redes imensas de cartórios, tabeliães, guichês disso e daquilo, adoramos exigir reconhecimento de firma, apresentação de diversos documentos, registros, carteiras, certidões positivas e negativas, e ainda pedimos para a outra parte assinar aqui, ali e acolá -- em três vias.

Pensando bem, o experimento de Wilson com a formiga morta-viva não é assim tão diferente da história abaixo, se trocarmos a expressão "feromônio da morte" por "certidão de óbito"...

* * *
São Paulo, quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Homem terá de ir à Justiça para provar que está vivo

RICARDO SANGIOVANNI

DA REPORTAGEM LOCAL

Um homem terá de entrar na Justiça para provar que está vivo, após ter descoberto que um atestado de óbito com seu nome foi emitido indevidamente, em agosto último. O erro foi do hospital estadual Padre Bento, em Guarulhos (Grande SP). O atestado, segundo o hospital, era para um homônimo.
Desde então, o padeiro desempregado Paulo Cezar dos Santos, 41, passou a conviver com os transtornos de estar juridicamente morto: perdeu o benefício de R$ 620,50 que recebia do INSS e não pode votar.
"Estou desempregado, não tenho dinheiro para pagar o aluguel nem para pegar um ônibus. E morto para a sociedade. Vou entrar na Justiça e entregar na mão de Deus", diz Santos, que mora com as filhas, de oito e dez anos, em Cangaíba, na zona leste da capital.
Santos sobrevive com a ajuda de parentes. Para "voltar à vida", o padeiro terá de entrar com uma ação cível para cancelamento de certidão de óbito, cujo julgamento pode levar de três meses a um ano, segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo -que diz que não cabe uma liminar. O órgão afirma que esse tipo de ação é "raríssimo".
"Quem causou o erro não pode mais fazer nada para corrigir. É preciso entrar na Justiça", diz Ademar Gomes, presidente da Acrimesp (Associação dos Advogados Criminalistas de SP), que presta assistência jurídica a Santos. A entidade irá ajuizar ações de indenização e responsabilização criminal.
Santos conta que ficou internado no hospital em junho de 2006, após ter levado três tiros no rosto, ao reagir a um assalto -o que o deixou com sequelas. Desde então, ele frequenta o hospital mensalmente, para sessões de acompanhamento pós-cirúrgico. Ao ter o benefício do INSS cortado em agosto, ele diz que procurou saber do hospital o motivo. A resposta: seu nome havia ido para o "arquivo morto". "Só consegui falar com a diretora uma vez, em dezembro. Ela disse que ia dar um jeito no meu caso, mas não me explicou nada", diz Santos.
A Secretaria de Estado da Saúde admitiu ontem que houve erro administrativo do hospital, que anexou os dados de Santos ao corpo de um homônimo seu que havia morrido.
O conselheiro do Cremesp (Conselho Regional de Medicina de SP) Antonio Pereira Filho diz que a responsabilidade pelo atestado é do médico que o assina. Ele afirma que o Cremesp irá investigar o caso.
Segundo a certidão de óbito, o atestado foi assinado pelo médico-legista Roberto Vaz. Nem a Prefeitura de Guarulhos nem a Secretaria Estadual de Segurança Pública confirmaram ontem se Vaz trabalha para o Serviço de Verificação de Óbitos ou para o IML local.

URL: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2901200903.htm

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

KOF Index of Globalization 2009

Nem lembro por que recebo anualmente esse relatório, nem sua reputação frente aos demais índices de globalização. É de uma universidade tecnológica suíça, que tem 21 laureados pelo Nobel em Física ou Química. Nenhum em Economia.

Entre 1990 e 2006 os países que mais cresceram neste índice de globalização foram os non-OECD with low income, seguidos pelos non-OECD with high income. Nesta última década, os países da OECD ficaram praticamente estagnados, ainda que em patamar muito mais alto que os demais.

Fora o fato de não ter havido retrocesso protecionista nos últimos anos, nenhuma grande surpresa: a globalização foi um fenômeno realmente mundial, e os países mais fechados se abriram a uma taxa relativamente maior, mas em termos absolutos continuam mais fechados.

O índice é composto por três grandes eixos (entre parênteses, seus pesos relativos na composição do índice):
  • Globalização econômica (38%)
  • Globalização social (39%)
  • Globalização política (23%)
No site eles disponibilizam, além do relatório em si, a base de dados completa, além de informações sobre a metodologia e composição do índice: http://globalization.kof.ethz.ch/.

Olhei o Brasil em relação aos outros países da América Latina e Caribe. Estamos bastante abaixo da média dos latino-americanos, mas perdemos muito no quesito "globalização social", que mede contatos pessoais (tráfego de telefonemas e cartas, turismo e estrangeiros residentes), fluxo de informações (internet, televisão e jornais) e cultural (que mais parece "de assimilação" que "de intercâmbio").

As variáveis culturais são curiosas: além do comércio internacional de livros, que faz bastante sentido, as duas outras são "McDonald's per capita" e "Ikea per capita".

Além de não termos Ikea no Brasil (infelizmente!!!), McDonald's não faz muito sucesso por aqui fora das metrópoles -- além de ser cada vez mais uma opção cara, quem aqui trocaria um tutu com couve mineira por aqueles sanduíches do Mc?!

Essa idéia "mão única" da globalização social precisa ser revista. Afinal, por que não medi-la por "churrascarias gaúchas ou parrillas argentinas per capita", em vez de McDonald's?

PS: Por falar em McDonald's, reportagem da Folha de S.Paulo de hoje mostra que ele já não é mais o grande vilão simbólico dos participantes do Fórum Social Mundial: "Passeata tem até lanche do 'ex-vilão' McDonald's", 28/1/2009. Où est Bové?!

Paes no Rio: um bom começo

Tomara que a luta contra os pequenos delitos continue. Mundo afora, provou-se uma grande aliada do combate aos grandes.

* * *


São Paulo, quarta-feira, 28 de janeiro de 2009


RUY CASTRO

Pequenos delitos

RIO DE JANEIRO - O carioca parece encantado com o "choque de ordem" que Eduardo Paes prometeu em campanha e está cumprindo como prefeito. Carros estacionados em lugar proibido são rebocados; construções irregulares, demolidas; outdoors em área ilegal, arrancados. Flanelinhas, ambulantes, camelôs, catadores de lixo, falsos mendigos e crianças de sinal, ou se enquadram ou dançam. Pela primeira vez em anos, sente-se a presença do poder público.
Claro que não faltam os espíritos de porco para reduzir esse esforço a uma simples toalete. E os pessimistas crônicos ignoram o presente e só querem saber do que estará acontecendo daqui a um ano, sob a alegação de que, "no começo", todo prefeito gosta de mostrar serviço. Mas não é bem assim. O prefeito anterior, Cesar Maia, teve várias reeleições para fazer isto e preferiu dar as costas à cidade.
Diante de reportagens sobre mazelas localizadas da cidade, Cesar dizia que se recusava a "ser pautado pelos jornais". Com isso, recusava-se também a ser pautado pelo bom senso. Que governante pode dispensar a imprensa como filtro do que a população está querendo dizer? Com o novo prefeito, até agora, a imprensa apita; ele confere e, se possível, resolve; se não, dá uma satisfação. A população percebe isto e se sente cuidada.
Mas é difícil mudar as pintas do leopardo. Um homem pedala sua bicicleta pela calçada, ignorando a ciclovia vazia ao seu lado. Ao ser educadamente interpelado por um policial, diz que o guarda não deveria estar ali, perdendo tempo com ele, mas "prendendo os bandidos". Outro, revoltado com a perseguição aos camelôs, argumenta que "é melhor o sujeito estar vendendo produto ilegal do que roubando".
Os dois estão errados. O grande delito começa pelo pequeno delito. A solução deles também.

URL: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz2801200905.htm

* * *

Posts relacionados:

Broken windows: it works, bitches! (nov/2008)

Tolerância Zero (mai/2008)

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Isratine

Mensagem
É um pouco constrangedor reconhecer, mas as duas propostas mais sensatas que já li sobre o tema Palestina vs. Israel vieram, respectivamente, do Rei Abdullah I em 1947 e, ontem, na Opinion Page do NYT, de Muammar Qaddafi...
 
PS: a argumentação do Rei Abdullah, apesar de xenófoba, não foi particularmente discriminatória contra judeus (mas é preciso considerar o contexto, como se os EUA fossem receber 100 milhões de mexicanos de uma só vez)
 
* * *

http://graphics8.nytimes.com/images/misc/nytlogo153x23.gif
 
January 22, 2009

Op-Ed Contributor

The One-State Solution

THE shocking level of the last wave of Israeli-Palestinian violence, which ended with this weekend's cease-fire, reminds us why a final resolution to the so-called Middle East crisis is so important. It is vital not just to break this cycle of destruction and injustice, but also to deny the religious extremists in the region who feed on the conflict an excuse to advance their own causes.

But everywhere one looks, among the speeches and the desperate diplomacy, there is no real way forward. A just and lasting peace between Israel and the Palestinians is possible, but it lies in the history of the people of this conflicted land, and not in the tired rhetoric of partition and two-state solutions.

Although it's hard to realize after the horrors we've just witnessed, the state of war between the Jews and Palestinians has not always existed. In fact, many of the divisions between Jews and Palestinians are recent ones. The very name "Palestine" was commonly used to describe the whole area, even by the Jews who lived there, until 1948, when the name "Israel" came into use.

Jews and Muslims are cousins descended from Abraham. Throughout the centuries both faced cruel persecution and often found refuge with one another. Arabs sheltered Jews and protected them after maltreatment at the hands of the Romans and their expulsion from Spain in the Middle Ages.

The history of Israel/Palestine is not remarkable by regional standards — a country inhabited by different peoples, with rule passing among many tribes, nations and ethnic groups; a country that has withstood many wars and waves of peoples from all directions. This is why it gets so complicated when members of either party claims the right to assert that it is their land.

The basis for the modern State of Israel is the persecution of the Jewish people, which is undeniable. The Jews have been held captive, massacred, disadvantaged in every possible fashion by the Egyptians, the Romans, the English, the Russians, the Babylonians, the Canaanites and, most recently, the Germans under Hitler. The Jewish people want and deserve their homeland.

But the Palestinians too have a history of persecution, and they view the coastal towns of Haifa, Acre, Jaffa and others as the land of their forefathers, passed from generation to generation, until only a short time ago.

Thus the Palestinians believe that what is now called Israel forms part of their nation, even were they to secure the West Bank and Gaza. And the Jews believe that the West Bank is Samaria and Judea, part of their homeland, even if a Palestinian state were established there. Now, as Gaza still smolders, calls for a two-state solution or partition persist. But neither will work.

A two-state solution will create an unacceptable security threat to Israel. An armed Arab state, presumably in the West Bank, would give Israel less than 10 miles of strategic depth at its narrowest point. Further, a Palestinian state in the West Bank and the Gaza Strip would do little to resolve the problem of refugees. Any situation that keeps the majority of Palestinians in refugee camps and does not offer a solution within the historical borders of Israel/Palestine is not a solution at all.

For the same reasons, the older idea of partition of the West Bank into Jewish and Arab areas, with buffer zones between them, won't work. The Palestinian-held areas could not accommodate all of the refugees, and buffer zones symbolize exclusion and breed tension. Israelis and Palestinians have also become increasingly intertwined, economically and politically.

In absolute terms, the two movements must remain in perpetual war or a compromise must be reached. The compromise is one state for all, an "Isratine" that would allow the people in each party to feel that they live in all of the disputed land and they are not deprived of any one part of it.

A key prerequisite for peace is the right of return for Palestinian refugees to the homes their families left behind in 1948. It is an injustice that Jews who were not originally inhabitants of Palestine, nor were their ancestors, can move in from abroad while Palestinians who were displaced only a relatively short time ago should not be so permitted.

It is a fact that Palestinians inhabited the land and owned farms and homes there until recently, fleeing in fear of violence at the hands of Jews after 1948 — violence that did not occur, but rumors of which led to a mass exodus. It is important to note that the Jews did not forcibly expel Palestinians. They were never "un-welcomed." Yet only the full territories of Isratine can accommodate all the refugees and bring about the justice that is key to peace.

Assimilation is already a fact of life in Israel. There are more than one million Muslim Arabs in Israel; they possess Israeli nationality and take part in political life with the Jews, forming political parties. On the other side, there are Israeli settlements in the West Bank. Israeli factories depend on Palestinian labor, and goods and services are exchanged. This successful assimilation can be a model for Isratine.

If the present interdependence and the historical fact of Jewish-Palestinian coexistence guide their leaders, and if they can see beyond the horizon of the recent violence and thirst for revenge toward a long-term solution, then these two peoples will come to realize, I hope sooner rather than later, that living under one roof is the only option for a lasting peace.

Muammar Qaddafi is the leader of Libya.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Change

http://i39.tinypic.com/1zp5lsp.jpg

By moi.

Revitalizando o Centro de São Paulo

Como estamos organizando um evento sobre "crise urbana", envolvendo o planejamento em mega-cidades e a questão da mobilidade urbana, acabei encontrando esta página do Institute for Transportation & Development Policy, que fala sobre revitalização da região central de cidades.

Na seção Related Documents, há dois relatórios sobre a Cidade de São Paulo. Os documentos são grandes, pois ricos em fotos e ilustrações. Estou lendo o primeiro relatório, e achando muito interessante. É assinado por uma firma dinamarquesa de arquitetura, pelo ITDP, e pela própria Prefeitura de São Paulo.

Revitalising São Paulo's City Centre: Strategies for Anhangabaú & Quadra das Artes (6 Jan 2008)

Revitalizing São Paulo's City Center (1 May 2007)

A Prefeitura, portanto, sabe quais são os problemas, e sabe como resolvê-los -- o relatório remete para várias iniciativas positivas de outras cidades, sempre comparando com a nossa realidade.

Resta, agora, querer fazer o que é preciso. (Dinheiro tem, senão não estaria devolvendo o valor da taxa de inspeção veicular para os motoristas de carro...)

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Amazing Stories (3)

O artigo do NYT sobre a mesma história é um pouco mais completo, e ainda traz a foto da mulher que ele (*SPOILER ALERT!*) perdeu.

* * *
São Paulo, quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Foco

Acusado de fraude simula morte em acidente aéreo e tenta suicídio após fracasso

DA REDAÇÃO

No último domingo, uma torre de controle do Estado do Alabama recebeu um chamado de socorro. Uma ventania teria pego de surpresa o avião pilotado pelo consultor financeiro Marcus Schrenker, acusado de fraudes milionárias nos Estados Unidos. Minutos depois, um jato militar localizou a aeronave, que estranhamente voava sozinha, com a porta aberta. O piloto sumira.
Em seguida, o aparelho se espatifou no chão da Flórida. O paradeiro do condutor tornou-se um mistério, até Schrenker ser encontrado na noite de terça-feira, de pulsos cortados, numa aparente tentativa de suicídio.
Ao que tudo indica, Schrenker teve frustradas suas duas tentativas de sair de cena. Na primeira, atolado em problemas, o consultor teria feito um plano audacioso: simular a própria morte, deixando o avião no piloto automático enquanto saltava de paraquedas.
Schrenker esperava que o avião caísse no mar do golfo do México, onde ninguém reclamaria seu corpo. Mas o aparelho se espatifou antes, por falta de combustível.
Em terra firme, no Alabama, Schrenker teria fugido com uma moto, estrategicamente escondida no local em que previu que aterrissaria após seu salto. Seguiu para um hotel, onde ficou provavelmente sabendo do fracasso do primeiro plano. Tentou, então, suicidar-se, ao que tudo indica. Mas foi achado semiconsciente, com o pulso cortado sangrando.
Segundo os paramédicos, Schrenker balbuciava a palavra "morte". Mas ele continua vivo e deve seguir para a cadeia, avisou a polícia.

Negociata
Schrenker, 38, ex-piloto, era falante e gostava de ternos bem cortados. Profissional do ramo de seguros, o consultor que vivia no Estado de Indiana coleciona fraudes e processos judiciais. Na última sexta-feira, um juiz de Maryland determinou que sua companhia, a Heritage Wealth Management, pagasse US$ 533 mil num processo perdido. Um ex-colega o acusa de roubar US$ 2 milhões.
Mas a crise fez Schrenker se ver encurralado nos próprios negócios, com clientes furiosos reclamando os investimentos. Sua última vítima teria sido o padrasto. Schrenker tentou, então, a última cartada. Mas tudo parecia conspirar contra ele, inclusive a sorte e a mulher: Michelle Schrenker entrou com um pedido de divórcio, no dia 30 de dezembro.


Com agências internacionais

URL: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi1501200933.htm

Amazing Stories (2)

E pela janela, e pelo guarda-chuva, e pelo...

* * *
São Paulo, quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Bebê cai do 3º andar e é salvo pela fralda

Criança de 1 ano e meio ficou presa por alguns instantes, pela fralda, a farpas metálicas de proteção de muro e caiu no pátio

Menino foi internado em hospital de Recife com fratura na perna esquerda e em uma costela, mas não corre risco de morrer


Rodrigo Lobo/JC Imagem

Fralda que salvou o bebê enroscada em farpas metálicas no muro do prédio


FÁBIO GUIBU
DA AGÊNCIA FOLHA, EM RECIFE

RENATA BAPTISTA
DA AGÊNCIA FOLHA Um bebê de um ano e meio sobreviveu a uma queda do terceiro andar de um prédio em Recife (PE), salvo por sua fralda descartável, que ficou presa a farpas metálicas de proteção de um muro.
O acidente ocorreu às 10h30 de anteontem, no bairro de classe média de Boa Viagem, zona sul da cidade. A queda, de aproximadamente dez metros, foi amortecida, e a criança não corre risco de morte -fraturou a perna esquerda e uma costela.
Cauã Felipe Massaneiro estava com a mãe e a irmã de dois anos no apartamento onde moram. Saiu despercebido do quarto e subiu em um sofá da sala encostado à janela. Afastou um lençol usado como cortina e caiu. A janela não tinha grade ou tela de proteção.
Segundo relatos de vizinhos, Cauã bateu durante a queda em uma janela no segundo andar e em um guarda-chuva no primeiro andar que estava aberto para secar.
As colisões desviaram a rota da queda e o bebê atingiu o muro que separa o edifício do prédio vizinho.
A criança ficou presa pela fralda nas farpas de segurança do muro. A fralda abriu instantes depois e ele caiu no pátio.
"Foi tudo muito rápido", afirmou o pai do menino, Alexandre César Massaneiro, 23, que não estava em casa na hora do acidente.
Uma moradora do segundo andar viu a queda e avisou o síndico do edifício. Segundo testemunhas, o bebê estava consciente e até tentou se levantar depois de cair. Aparentava estar desnorteado e tinha ferimentos pelo corpo e hematomas no rosto.
A mãe da criança não presenciou o acidente. Avisada por vizinhos, levou o filho de táxi ao Hospital Memorial São José, no bairro Boa Vista, escoltada por um carro de polícia que estava na região.

Fraturas
Cauã foi internado em UTI (Unidade de Terapia Intensiva), com fraturas na perna esquerda e em uma costela. Ele já havia deixado a unidade no início da noite de ontem, mas permanecia internado em um quarto, fora de risco.
De acordo com a família, o bebê deve receber alta hoje.
O menino e seus parentes são de Santa Catarina e estão em Recife há quatro meses. No apartamento da família vivem pai, mãe e os dois filhos, além de um casal de primos.
O delegado da GPCA (Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente) Carlos Farias informou que abriu inquérito ontem para apurar se houve negligência dos responsáveis pela criança no caso.

URL: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2808200807.htm

Amazing Stories (1)

True story? It doesn't matter. I couldn't stop reading until I found out how he managed to get out of this one.

* * *

I'm in a decent relationship right now. It's been two months and there have been no really big arguments. She scratches my head nonstop, gives me awesome massages, and even brings me food when I'm too worn out from work to go anywhere.

Since moving out on my own, she gave me even better advice on how to do my laundry than my grandmother did.

Flashback:

"Okay Justin, here's what grandma does.."

She then bends over to separate the clothes, accidentally farts but doesn't notice it.

"First, you do what my school did when I was a little one. You separate the whites from the colored."

Thanks racist grandma.

I don't get to see my girlfriend too much because I work so many hours a week that it's almost impossible. That, mixed with her schedule, doesn't make for much time to see her. When I do find time to see her, I fly from work to her house going 90 in a 55 MPH zone.

That being said, Monday I was speeding to her house from work. I was on a local highway and about 5 minutes from her house when the blue lights blinded my eyes from my rear-view mirror. Damn, I've just been pulled over.

The officer walked up to my car, asked how I was doing, then the usual "license and registration, please". Nothing out of the ordinary.

I carry a gun for my profession and still had it strapped to my side, so I showed him my work ID and gun permit BEFORE whipping out the gun and saying:

"Here's my gun! I'm allowed to carry one!"

Phew, won't do that one again.

After looking over the permit, he eyeballed my crotch.

"I'm going to have to ask you to step out of the car, sir. Keep your hands where I can see them."

Either he's a gay cop, or he has a problem with the gun.

I was asked to put my hands on the roof of the car. He pulled my 357 out of its holder.

"I'm going to hold onto this while I run your license, if you don't mind. You can step back into the car."

I got in and shut my door.

"So, Mr. Justin, why were you driving so fast?"

At this moment, my bullshit dispenser started cranking. I could afford another ticket, but would rather not deal with an increased insurance rate. I started spitting a line of total BS.

"Well sir, my job doesn't allow me to see my fiance very much. Since this is the first time in forever that I'm going to see her, I'm rushing to her house to pop the question. I apologize for speeding, I'm just so excited to see the look on her face when I ask her to marry me."

"Do you have a ring?"

"No sir, can't afford one."

"Ah, poor kid."

"I know. Could you do me a favor and write me a ticket? I'd like to look back on this night and laugh about the time I was pulled over and given a ticket the night I was rushing to propose to my wife."

The reason I asked him this is to make my story seem to check out. I'm calling his bluff, if you will.

"Ha ha, you kids. I'll tell you what-- I'll do you one better. I'll escort you over there through traffic if you're in that much of a rush. Wouldn't that be more of a story?"

Dammit. The guy's caught up in making a Kodak moment when all I want to do is get him off my back and eat tacos with my girlfriend... NOT propose. I've only known the girl for two months-- not exactly ready for the big commitment yet.

"Yes sir, I do believe it would."

After giving him her street name and address, he knew exactly where to go. Shit. I got in my car and followed him as his siren rang out. Traffic pulled to the side, peopled yielded at red lights, and cars stopped-- all so I could have tacos with my girlfriend.

After getting to her house, the officer stepped out of his car and knocked on her door. She opened it and stared at him, then me in a look of confusion.

"Hi, I pulled this gentleman over a few minutes ago because he was in a rush to get over here so fast. Justin? Would you like to take it from here?"

I looked at Courtney, then the officer, who wasn't going anywhere anytime soon. I tried to take her inside, but the officer stood right there in the doorway to witness the event. The things I'd do to get out of a ticket.

"Courtney... I know I've only known you a short time. But, in that short time <insert romantic bullshit>... Will you marry me?"

She wouldn't say yes. She's younger than I am and always talked about how she wanted to date a guy forever until making a commitment.

''YES JUSTIN! I WILL MARRY YOU!"

The officer smiled and clapped as Courtney clamped her arms around my body. The neighbors, who had been wondering why a cop car with its lights on was outside her house cheered.

Courtney's parents called me and told me that they were proud that their daughter found such a nice guy.

Me? Well I got out of a ticket.

Fuck you. I'm engaged.

-Sideburns

URL: http://www.ubersite.com/m/75261

* * *

Readers' comments were the cherry on the top:

Unlucky guy, a life sentence for a speeding ticket. (1)

I've been married 27 years. Murderers only get 20. (2)

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Chinese Electric Car Jolts The Competition

A China acaba de lançar o primeiro carro híbrido produzido em massa.

Diferentemente do Toyota Prius, o F3DM é ligado numa tomada comum (é um plug-in hybrid).

Leva nove horas para recarregar do zero até 100% -- a maioria das pessoas passa isso ou mais tempo em casa, mesmo.

Até 60 km/h, roda só no elétrico -- mais que isso, ativa (também ou apenas?!) o motor a gasolina.

Autonomia (do elétrico): 100 km -- eu precisaria recarregar a cada 4 dias. Acho que os prédio terão que se adaptar no futuro: se hoje eu fosse recarregar meu F3DM na tomada da garagem do meu prédio, usaria a eletricidade comum (o prédio inteiro pagaria a conta). Ou talvez isso pudesse ser um incentivo à adoção dos plug-ins.

Preço: US$ 22 mil, ou R$ 50 mil -- ainda meio caro, mas nada astronômico.

Acho que, se vendesse aqui hoje, eu talvez trocasse o meu.

Ah, e eles estão planejando adicionar painel solar no teto do carro num futuro próximo. Enquanto seu carro toma sol estacionado na rua, ele se auto-recarregaria, a "custo zero". Genial!

* * *

Chinese Electric Car Jolts The Competition
http://www.npr.org/templates/story/story.php?storyId=99286134

(se quiser ouvir em vez de ler, clique no botão Listen Now abaixo do título -- dura 4 min 31 sec)

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

The Uncultured Project for Awesome

Good and bad resolutions for a greener 2009

Entre elas, algumas razões ambientais para se cortar o cigarro:

Green.view
A new leaf
Good and bad green resolutions
Jan 12th 2009
From Economist.com

http://www.economist.com/daily/columns/greenview/displaystory.cfm?story_id=12918615

PostSecret of the day

Cidadania e controle social

Em muitas partes do Brasil, o crime ainda compensa:

* * *
São Paulo, segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Corrupção afeta pouco taxa de reeleição
Em cidades onde a CGU viu irregularidades desde 2005, reeleição foi de 62,5% no ano passado; taxa média nacional foi de 67%
Auditores falam de desvios, direcionamento de licitação e notas fiscais "frias'; em 22 casos, servidores recebiam Bolsa Família ilegalmente

Indícios de corrupção ou irregularidades graves nas gestões municipais não impediram que prefeitos brasileiros assumissem novamente o cargo no último dia 1º de janeiro.
Mesmo em cidades com denúncias, a taxa de reeleição não sofreu grande alteração.
Levantamento feito pela Folha nas cidades em que auditorias da CGU (Controladoria Geral da União) apontaram indícios de corrupção e em que os prefeitos concorreram novamente ao cargo mostra que a reeleição foi de 62,5%. A taxa média em todo o país foi de 67%, segundo a Confederação Nacional dos Municípios.


[Leia mais...]

* * *

É ainda pior do que parece: a alta taxa de reeleição também indica que a oposição desses municípios foi incapaz de oferecer uma alternativa politicamente viável. Algumas hipóteses vêm à minha cabeça:
  1. A oposição também tinha esqueletos dentro de seu armário, e a disputa ficou em torno de "quem é o menos pior" (como foi a eleição para prefeito aqui na cidade de São Paulo, que girou em torno das acusações mútuas).
  2. A oposição também tinha planos de continuar a "obra suja" da situação e, portanto, não interessava a ela lançar luz nos focos de corrupção da cidade.
  3. As eleições municipais ainda são muito pouco competitivas em grande parte do País -- alto custo de entrada e alto custo das campanhas, que em 2008 custaram 57% a mais do que em 2004 (e olha que nós já temos campanhas caríssimas).
  4. É a hipótese mais óbvia: corrupção não é deal-breaker para um eleitor. Isso mostra tanto a permanência da lógica "rouba, mas faz" quanto uma certa simpatia com o ato: "Se estivesse lá, faria a mesma coisa", como já ouvi de alguém.
Enquanto isso, bons exemplos da sociedade civil não abundam, mas os poucos são notáveis. Talvez o mais conhecido seja o trabalho da Transparência Internacional.

Mas o mais interessante, inovador, e "de raiz" que conheço no Brasil é o da AMARRIBO (Amigos Associados de Ribeirão Bonito). Vale a pena conhecer essa experiência! (brochura em português, inglês ou espanhol)

The environmental costs of a Google query

Powering a Google search
1/11/2009 10:48:00 PM
http://googleblog.blogspot.com/2009/01/powering-google-search.html

Fantástico:

In terms of greenhouse gases, one Google search is equivalent to about 0.2 grams of CO2.

Como sei que tem muita gente que digita no Google por pura preguiça de digitar a URL inteira (basicamente, o "www." e o ".com"), segue uma pro-tip:

Teclar Ctrl+Enter na barra de endereço faz com que o navegador já complete automaticamente com o "www." antes e o ".com" depois. Ctrl+Shift+Enter faz a mesma coisa, mas agrega ".org" no final.

O Firefox é inteligente o suficiente para, se você digitar "google/chrome", gerar "www.google.com/chrome". O IE, não: vira "www.google/chrome.com", e dá erro -- estúpido. Não sei como é nos outros navegadores.

sábado, 3 de janeiro de 2009

Mini-computador e ultra-capacitor

O último episódio do ótimo podcast Security Now! tratou de dois temas não relacionados com segurança, mas que interessam aos geeks em geral (como eu).

O primeiro (de 51m26s a 1h25m54s) fala de um minicomputador (pré-microcomputador) chamado PDP-8, o primeiro comercialmente bem-sucedido, fabricado pela DEC. Um cara conseguiu disponibilizar um kit para montar uma réplica, com um chip com o mesmo conjunto de instruções, mas com algumas melhorias inevitáveis.

Eu não cheguei a conhecer o PDP-8, meu primeiro computador foi um CP 400 Color II da Prológica, que se ligava à televisão e tinha como dispositivo de armazenamento fitas K-7: eu dava o comando CLOAD no interpretador BASIC interno do equipamento, apertava a tecla play do gravador e esperava ele ler programa por programa, perguntando: "É esse programa que você quer?". Saudades...

Se não interessar a vocês, talvez conheçam quem se interesse por esse tipo de relíquia. Como acabou a produção desse chip do PDP-8, a fornada atual será a última oportunidade de ter esse pedaço da história da informática em casa.

O segundo (de 1h26m44s a 1h52m59s), sobre uma patente registrada no mês passado, que parece se tratar de uma revolução no campo das baterias -- a grande fronteira atual para a verdadeira mobilidade, incluindo não só celulares e laptops, mas carros  (pensem Tesla Motors) e outros equipamentos potencialmente móveis mas sedentos por energia.

Imaginem, comparando com nosso estado-da-arte hoje (íons de lítio), uma bateria: não tóxica e não explosiva, que perde apenas 0,1% da carga por mês (contra 10% ou mais das atuais), que se carrega em menos de 5 minutos (em vez de em 5 ou 6 horas), que possa ser recarregada mais de 1 milhão de vezes sem nenhuma degradação perceptível, e que tenha uma densidade de energia (Watt-hora por litro) milhares de vezes superior, e ainda assim pese 1/3 do peso de uma bateria de íons de lítio com as mesmas dimensões. Pois é...

Mais informações e links nas notas do episódio.

O passado e o futuro em uma hora de podcast. Foi divertido.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Minha pátria, minha língua

Por que deveríamos escrever todos — nós, lusófonos — da mesma forma? É a língua que nos une? Estamos nós, brasileiros, realmente mais conectados com portugueses e angolanos (por exemplo) do que com, digamos, a cultura americana, que fala inglês e (cada vez mais) espanhol?

Nunca me senti tão próximo de São Paulo fora do Brasil do que quando estava em Roma. E eu não falo niente de Italiano!

Não penso em escrever dentro das novas regras ortográficas, ao menos neste primeiro momento. Vou deixar para 2012, se não me engano a data limite para a transição, ou continuar meu pequeno movimento de resistência civil enquanto puder.

Pode ser uma imensa estupidez da minha parte, e eu perceber isso logo depois, mas é assim que me sinto agora.

Concordo com Hélio Schwartzman (brasileiro) e com João Pereira Coutinho (português): língua não é estática — ela evolui, sim. Mas esta evolução tem base naqueles que a falam. Não deve ser uma decisão burocrática, desconectada, artificialmente forjada e imposta. Segundo este último:

A língua é produto de uma história; e não foi apenas Portugal e o Brasil que tiveram a sua história, apresentando variações fonéticas, lexicais ou sintácticas; a África, Macau, Timor e Goa, que os sábios do acordo ignoram nas suas maquinações racionalistas, também têm direito a usar e a abusar da língua. Quem disse que o português do Brasil é superior, ou inferior, ao português falado e escrito em Luanda, Maputo ou Dili?

Meu princípio filosófico: a pluralidade é um valor que deve ser estudado e respeitado. Não me incomoda que os brasileiros escrevam “ator” e “ceticismo” sem usarem o “c” ou o “p” dos lusos. Quando leio tais palavras, sei a origem delas; sinto o sabor tropical em que foram forjadas.

[...]

Lamento. Eu gosto do "c" do "actor", do "p" de "cepticismo". Eles representam um património, uma história. Uma pegada etimológica que faz parte de uma identidade cultural.

[...]

O gesto é prepotente e apedeuta. Aceitar essa aberração filosófica e linguística, impensável para ingleses (ou franceses), significa apenas que a irmandade entre Portugal e o Brasil continua a ser a irmandade do atraso.

Tell it like it is

Martians are from Mars. Venusians are from Venus.

kthxbye